• Home
  • ClubNews
  • Optilink Tour Championship: Ricardo Santos campeão

Optilink Tour Championship: Ricardo Santos campeão

16 March 2022

Por Hugo Ribeiro

O ex-campeão nacional não vencia desde o Challenge da Suíça em junho de 2019 e ganhou em casa, no Dom Pedro Victoria Golf Course, em Vilamoura, onde o escocês Jamie Mann foi o melhor amador.

Ricardo Santos regressou às vitórias e quebrou um jejum de quase três anos sem títulos, ao vencer hoje (quarta-feira) o Optilink Tour Championship, no Dom Pedro Victoria Golf Course, em Vilamoura, tornando-se no primeiro português a ganhar a final do PT Tour.
O campeão nacional de 2011 e 2016 aguentou bem os ataques da concorrência e ainda se deu ao luxo de dilatar a margem de vitória para 6 pancadas em relação aos 2.º classificados, o escocês Kieran Cantley e o inglês Ben Bailey.
Com uma terceira e última volta de 67 pancadas, 5 abaixo do Par, muito perto do seu registo de ontem de 66 (-6), que lhe tinha permitido assaltar o comando, Ricardo Santos totalizou 203 (-13) e garantiu o cheque de 3.500 euros referente ao primeiro prémio, do ‘prize-money’ total de 20 mil euros.
O algarvio, a jogar em casa, num campo que ele representou durante muitos anos no DP World Tour, a primeira divisão europeia, só sofreu 3 bogeys em três dias de prova – hoje, apenas no último buraco, no 18, onde fizera birdie nos dias anteriores. Em contrapartida, converteu 16 birdies, mostrando que está de novo a atravessar uma boa fase da carreira.
“O meu jogo está a ir na direção que eu quero para poder ter mais oportunidades de vitórias ou andar na luta por elas”, disse o profissional da Titleist, que não sente que tenha de fazer grandes adaptações ao seu jogo, passados tantos anos no circuito.
“O jogo é parecido ao dos últimos dez anos. A idade traz mais maturidade, sim, e é mais isso, o encarar de forma diferente o jogo”, acrescentou o português de 39 anos. Essa maturidade permitiu-lhe atacar a última volta logo desde o início e retirar quaisquer veleidades aos potenciais rivais, com 2 birdies nos primeiros dois buracos e 4 birdies nos primeiros nove.
“O dia hoje esteve bem melhor, não choveu e não fez vento, estava perfeito para jogar golfe. Voltei a jogar muito sólido, especialmente nos shots ao green», explicou Ricardo Santos, que vai voltar mais motivado ao DP World Tour (ex-European Tour), onde tem estado a competir nesta época de 2022.
“É sempre muito bom voltar a ganhar, especialmente quando a última vitória já tinha sido há dois anos e meio, mais ou menos”, disse o campeão de um título do European Tour (o Madeira Islands Open BPI de 2012) e de dois troféus no Challenge Tour (o Princess by Schuco, na Suécia, em 2011 e o Swiss Challenge, em 2019).
Esse Challenge da Suíça, em junho de 2019, integrado na segunda divisão do golfe profissional europeu, tinha sido o seu último título.
Neste PT Tour, Ricardo Santos não ganhava desde o 1.º Palmares Open, também no Algarve, em novembro de 2018, quando o circuito promovido por José Correia ainda tinha o nome de Portugal Pro Golf Tour.
O Optilink Tour Championship contou com um total de 70 participantes e mais três portugueses conseguiram ainda concluir a prova no top-10.
Pedro Figueiredo, também jogador do DP World Tour, foi o primeiro líder do torneio, após uma boa volta inicial de 68 (-4) e terminou no 8.º lugar com 213 (-3), recebendo 750 euros.
Tomás Melo Gouveia, membro do Challenge Tour, foi 9.º classificado, com 214 (-2), empatado com o também português Hugo Santos e com o escocês Jeff Wright, embolsando cada um 675 euros de prémio.
O PT Tour teve várias novidades em 2022, duas delas contar para o ranking mundial amador e ainda oferecer prémios monetários aos três melhores amadores de cada torneio, de acordo com os novos regulamentos internacionais da modalidade.
Graças à parceria estabelecida com a SGA (Season Golf Academy), onde o português David Silva é o Head Coach do programa de captação e desenvolvimento de jovens, foi possível atribuir 300 euros ao melhor amador, neste caso o escocês Jamie Mann, que, tal como Ricardo Santos, beneficiou do fator casa, pois reside no Algarve e representa o Clube de Golfe de Vilamoura.
Jamie Mann costuma jogar os circuitos da Federação Portuguesa de Golfe e neste Optilink Tour Championship quase alcançava um top-20, ficando no grupo dos 21.º classificados, com 219 pancadas, 3 abaixo do Par, após voltas de 73, 71 e 75.
Recorde-se que o PT Tour é um circuito internacional, sancionado pela Federação Portuguesa de Golfe e pelo circuito britânico Jamega Pro Golf Tour. Conta ainda para o novo ranking da seleção nacional de profissionais da FPG.
Neste último dia mereceram destaque as voltas abaixo do Par dos portugueses Ricardo Santos, Tomás Melo Gouveia, João Girão, Pedro Lencart e João Magalhães, mas também o amador ‘teenager’ Hugo Camelo, das seleções nacionais amadoras da FPG, ter cumprido o Par-72 do traçado desenhado por Arnold Palmer.


Similar articles

AMARANTE GOLFE OPEN

AMARANTE GOLFE OPEN

O Amarante Golf Clube e a Federação Portuguesa de Golfe assinaram um protocolo para o lançamento do Amarante Golfe Open, em Junho, prova que conta com o alto patrocínio da Câmara Municipal de Amarante. Na celebração dos 25 anos do clube, pretende-se fixar um novo torneio no calendário, com prémios monetários de 15 mil euros, tornando-o no segundo evento mais importante, depois do Campeonato Nacional Absoluto Hyundai.

THE MAN BEHIND THE PLAYERS

THE MAN BEHIND THE PLAYERS

At 56 years old, Pedro Lima Pinto is an unavoidable figure in national golf. He is the most visible face of Greatgolf, the career management agency he founded to help young Portuguese golfers. The agency currently represents five golfers, and has a fundamental rule: it only works with those who are dedicated exclusively to the game.

 

CAPA_N.73.jpg

© GolfePress

Make sure you never miss an issue of GOLFE Portugal & Islands magazine
call (+351) 291 639 100 or e-mail us at This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it. 

Cofinaciado por: